27/07/2008

Situação do pai - Está em Lajeado agora...

Oi pessoas...
Sobre a situação do pai... a coisa foi mais grave do que esperávamos, não imaginam a correria que foi nossa vida desde quarta feira a noite, quando fiquei com ele no hospital, achei que fosse perder meu velho.

Agilizamos o cateterismo para quinta de manhã, autorizamos internação (nós tivemos que fazer a correria porque sexta foi feriado em são leopoldo, e se esperássemos, ele teria liberação para o hospital de lajeado só na segunda, e não resistiria)consegui a liberação (fui mais de quatro vezes na secretaria da saúde, até o 'sistema' aceitar e fazer a liberaão de internação) na quinta mesmo, depois disso conseguimos uma UTI móvel com médico para levá-lo até lajeado, já que era transporte de risco... Baixou direto na UTI do hospital lá, então fomos achar hotel prá minha mãe e minha irmã, tem um do ladinho do hospital, então sábado meu marido foi a Lajeado, levou meu irmão prá ficar com a mãe e trouxe minha irmã de volta, eu fiquei aqui cuidando da feira da São Leopoldo Fest, porque mais do que nunca agora precisamos fazer dinheiro para pagar hotel e transportes... Meu irmão tirou férias prá ficar com a mãe, acho que ele (o pai) fica lá maisde 20 dias, se o pai não voltar antes de terminar as férias de meu irmão, eu tiro férias e vou prá lá com a mãe, não podemos é deixá-la sozinha... minha mãe é uma Rainha, uma guerreira, cada dia mais me deixa impressionada com sua força e coragem. Que correria, né? gente... mas vai dar tudo certo, ontem implantaram um marcapasso nele, e ele reagiu bem, está quentinho, mais lúcido, perguntou por nós todos.. guentando uma semana já vai dar prá operar, daí é só mais sete dias até tirar os pontos e o meu véio pode voltar prá casa. :)

Contamos neste momento, antes de qualquer coisa, com a oração dos amigos e familiares!
Deus é Mais!

Beijinho, e até a próxima.

21/07/2008

Seu Elias NEWS

O pai fez o exame do coração (eco) no sábado, e foi constatada uma seqüela grave (um furo, que eles chamam de sopro). Então ele fará um cateterismo nesta semana (será agendado hoje) e logo após uma cirurgia no hospital de Lageado.

Estamos tranqüilizados porque dos procedimentos cirúrgicos de coração é um dos mais simples, mas ao mesmo tempo estamos apreensivos.

A mãe está sempre do lado dele, acompanhando e auxiliando. Vamos ter que ver em Lageado o hotel que fica próximo ao hospital, pois o acompanhante não tem pernoite no Hospital, precisará ir para o Hotel enquanto estiver acompanhando o 'im'paciente.

Contamos com a oração dos amigos!

Beijinho

14/07/2008

Que futuro nos espera?

Partilho artigo do Boff.
 
Que futuro nos espera? Artigo de Leonardo Boff
 

"Nosso paradigma civilizacional elaborado no Ocidente e difundido por todo o globo, está dando água por todos os lados", constata Leonardo Boff, teólogo, em artigo publicado no Jornal do Brasil, 14-07-2008. Segundo ele, "os desafios (challenges) globais são de tal gravidade, especialmente os de natureza ecológica, energética, alimentar e populacional que perdemos a capacidade de lhe dar uma resposta (response) coletiva e includente. Este tipo de civilização vai se dissolver".

Eis o artigo.

Muitos analistas fazem prognósticos sombrios sobre o futuro que nos espera como James Lovelock, Martin Rees, Samuel P. Huntington, Jacque Attali e outros. É certo que a história não tem leis, pois ela se move no reino das liberdades que estão submetidas ao princípio de indeterminação de Bohr/Heisenberg e das surpreendentes emergências, próprias do processo evolucionário. No entanto, um olhar de longo prazo, nos permite constatar constantes que podem nos ajudar a entender, por exemplo, o surgimento, a floração e a queda dos impérios e de inteiras civilizações. Quem se deteve mais acuradamente sobre esta questão foi o historiador inglês Arnold Toynbee (falecido em 1976), o último a escrever dez tomos sobre as civilizações historicamente conhecidas: A study of history. Aí ele maneja uma categoria-chave, verdadeira constante sócio-histórica, que traz alguma luz ao tema em tela. Trata-se da correlação desafio-resposta (challenge-response). Assinala ele que uma civilização se mantém e se renova na media em que consegue equilibrar o potencial de desafios com o potencial de respostas que ela lhes pode dar. Quando os desafios são de tal monta que ultrapassam a capacidade de resposta, a civilização começa seu ocaso, entra em crise e desaparece.

Estimo que nos confrontamos atualmente com semelhante fenômeno. Nosso paradigma civilizacional elaborado no Ocidente e difundido por todo o globo, está dando água por todos os lados. Os desafios (challenges) globais são de tal gravidade, especialmente os de natureza ecológica, energética, alimentar e populacional que perdemos a capacidade de lhe dar uma resposta (response) coletiva e includente. Este tipo de civilização vai se dissolver.

O que vem depois? Há só conjeturas. O conhecido historiador Eric Hobsbawn vaticina: ou ingressamos num outro paradigma ou vamos ao encontro da escuridão.

Quero me deter nos prognósticos de Jacques Attali, economista, ex-assessor de F. Mitterand e pensador francês em seu livro Une brève histoire de l'avenir (2006), pois me parecem verossímeis, embora dramáticos. Ele pinta três cenários prováveis que resumirei brevemente.

O primeiro e do superimpério. Trata-se dos EUA e de seus aliados. Eles conferem um rosto ocidental à globalização e lhe imprimem direção que atende seus interesses. Sua força é de toda ordem, mas principalmente militar: pode exterminar toda a espécie humana. Mas está decadente, com muitas de contradições internas que se mostram na inexorável desvalorização do dólar.

O segundo é o superconflito. É o que segue à quebra da ordem imperial. Entra-se num processo coletivo de caos (não necessariamene generativo). A globalização continua mas predomina a balcanização com domínios regionais que podem gerar conflitos de grande devastação. A anomia internacional abre espaço para que surjam grupos de piratas e corsários que cruzarão os ares e os oceanos, saqueando grandes empresas e gestando um clima de insegurança global. Estas forças podem ter acesso a armas de destruição em massa e, no limite, ameaçar a espécie humana. Esta situação extrema clama por uma solução também extrema.

É o terceiro cenário, da superdemocracia. A humanidade, se não quiser se autodestruir, deverá elaborar um contrato social mundial com a criação de instâncias de governabilidade global com a gestão coletiva e eqüitativa dos escassos recursos da natureza. Se ela triunfar, inaugurar-se-à uma etapa nova da civilização humana, possivelmente com menor conflitividade e mais cooperação.

Só nos resta rezar para que este último cenário aconteça.

 
 
 

10/07/2008

Experiência SUS em minha vida

Deus do Céu!
estamos com meu pai internado na ala da Cardiologia, no Hospital Público da Cidade.
 
Ele 'ganhou a baixa' na terça feira, e fomos para o Hospital,  ficamos até as duas horas da manhã, com ele sendo medicado (em uma salinha de medicação), às duas horas então ele passou para a maca. Isso mesmo, maca no corredor do Hospital, quando alguém então pode ficar com ele.
Minha mãe ficou com ele até de manhã, quando eu fui trocar de lugar com ela.
 
Tudo isso apenas porque estávamos esperando liberar um leito na Cardio. (o que só aconteceu ontem às 14 horas)
 
Nestas horas em que estive ali vivi coisas que não imaginei que passaria... minha visão de SUS mudou completamente.
 
A dedicação e o profissionalismo da equipe médica e de enfermagem foi o que mais me surpreendeu. Uma equipe de bem com a vida, preparada, educada e profissional ao tratar com os pacientes... Coisa que muitas vezes não vemos nos mais conceituados planos de saúde ( e olha que o meu tem cobertura nacional, com uma renomada cooperativa de saúde).
 
Vi o caso de um bebê, que sofreu afogamento com o refluxo da mamadeira. A criança chegou já com parada respiratória, não foi possível reverter (nestes casos cada minuto é precioso). Todos ficaram profundamente comovidos, verdadeiramente abalados.
 
Fiquei pensando sobre a grande responsabilidade de ser pai e mãe, do quanto estas vidas frágeis ficam entregues nas mãos dos adultos. A criança tinha em torno de quatro meses, provavelmente há pouco tempo havia terminado a licença maternidade desta mãezinha, que deixou este bebê em uma creche, certamente junto com outros bebês.
Aqui fica a reflexão sobre as estruturas das creches (públicas, particulares e comunitárias). A menina (funcionária da creche) que levou o bebezinho até o hospital não tinha mais do que vinte anos de idade. Estava tão assustada!
Será que tinha treinamento em primeiros socorros?
Será que tinha suporte e estrutura para atender o berçário?
Quantas crianças haviam sob sua responsabilidade no berçário da creche?
 
Não podemos sair julgando-a culpada, nem tampouco eximir a equipe da tal creche da responsabilidade, mas acredito que devamos pensar no 'em torno', em tudo que poderia ser feito para evitar este tipo de coisa.
 
Mas também não podemos negar que esta morte destruiu aquela mãe, aquele pai. Não consigo esquecer seu choro, seu lamento, sua dor.
 
Somos tão frágeis, e tão iguais nos momentos mais críticos da vida.

07/07/2008

Utilidade pública: Chiclete

Recebi hoje um email que me chamou bastante a atenção, fala do correto descarte dos chicletes, ou goma de mascar.
 
O email orienta a embrulhar o chiclete em papel antes de o descartar... JAMAIS jogar no chão ou simplesmente descartar (sem embrulhar) em lixeiras, principalmente em ambiente aberto.
 
A dica é bem embasada, vejam:
 
Atraídos pelo cheiro adocicado e pelo sabor de fruta, os passarinhos começam a comer restos de chicletes, deixados, irresponsavelmente, por aí, em qualquer lugar... Ao sentirem o chicletes grudando em seu biquinho, tentam, desesperados, retirá-lo com os pés...E aí, acontece o pior: acabam sufocados, asfixiados, ou ainda, enforcados.. .O Globo Repórter já mostrou isso numa reportagem.. . Embrulhem-no num pedaço de papel e joguem-no no lixo...Só assim, evitaremos que o pior aconteça a essas delicadas criaturas de Deus, belo presente que DELE recebemos. Vamos colaborar com estes maravilhosos seres da natureza!!!
 
Pequenas atitudes fazem toda a diferença para a natureza.
 
Beijinhos!!!
 
 

05/07/2008

Combinação de Cores

Acreditam que muita gente chega a este blog por fazer busca com a expressão "Combinação de cores"?
Há um tempo atrás eu diria que isso não tem nada a ver comigo...
Mas hoje a coisa é diferente.
Eu estou aprendendo a dar espaço para esta dimensão criativa do meu ser. (risos)

Comecei este blog há um tempão (2004), ele já teve muitas caras (não tantas quanto de algumas amigas compulsivas, que vivem trocando de lay, fazendo 'faxina', se é que vocês me entendem.. hehe) e muitas fases.

Bom, quero dizer que a mulher que hoje mantém este blog não é a mesma que o iniciou... Já dizia o filósofo: "um homem não se banha duas vezes no mesmo rio, da segunda vez não é mais o mesmo homem nem o mesmo rio" - acredito nisso.

E a prova de que eu estou aprendendo a gostar destas coisas de 'combinar cores', é o que eu ando produzindo nas horas vagas.

Vejam:

Postagens populares