01/11/2006

hino à matéria

"Bendita sejas, áspera Matéria,
gleba estéril, duro rochedo,
tu que não cedes senão à violência
e nos obrigas a trabalhar se quisermos comer.
Bendita sejas, perigosa Matéria,
mar violento, indômita paixão,
tu que nos devoras, se não te aprisionamos.
Bendita sejas, poderosa Matéria,
Evoluçãp irresistível,
tu que, fazendo estourar a cada instante
os nossos esquemas, nos obrigas a buscar
a Verdade sempre mais além.
Bendita sejas, universal Matéria,
Duração sem limites,
Éter sem margens.
-Triplo abismo das estrelas,
dos átomos e das gerações
- Tu que, ultrapassando
e dissolvendo nossas estritas medidas,
nos revelas as dimensões de Deus".
Theilhard de Chardin

Queria deixar uma mensagem profunda e ecumênica, para todos os meus amigos daqui.

Achei esta... me emocionei ao ler e reler!

Nossa, quanta força neste poema de Chardin, quanto amor ao universo, ao Deus da vida!
Que delícia lê-lo!

Quero fazer também isto no final de semana, alimentar minha alma, e ouvir o silêncio falar de Deus. Ouvir o silêncio e o grito da matéria, que 'dissolvendo nossas medidas, nos revela as dimensões de Deus'.

(nossa, como tô sensível)

Bom final de semana a todos... cheio de luz e paz... bom descanso meus amigos...

Ah, outra coisa que vou fazer é faxinar! to nesta vida agora...

Image Hosted by ImageShack.us

Xô mesmice!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

olhe... e comente...

Postagens populares